Relatório da caminhada nos municípios de Altinópolis-SP, da Fazenda Varões, situada na Estrada Cajuru-Altinópolis até o Recanto Feitosa, município de Cajuru-SP

Confira o relatório da caminhada que aconteceu no dia 11 de fevereiro de 2.012.

A região percorrida, nas Zonas Rurais de Altinópolis e Cajuru,  faz parte da Floresta Estadual de Cajuru , do Reflorestamento da International Paper ( Chanflora), principalmente na parte da “Fazenda Fradinhos” e da bacia hidrográfica do rio Araraquara, afluente do rio Pardo. A região foi, no passado, percorrida pela linha tronco da Estrada de Ferro São Paulo Minas e, ali existiu a “Estação Fradinhos”. O dia, em Ribeirão Preto, estava chuvoso. Ao chegarmos no ponto de partida, na entrada da Floresta  Estadual , nenhuma chuva, apenas o tempo nublado. Temperatura agradável.  Percurso sob árvores, não vimos sequer um pé de cana.  O  propósito era atingirmos o Recanto Feitosa  por outro caminho inédito. O quarto roteiro diferente cumprido pelos “peregrinosrp”. Tivemos, ainda mais uma vez, uma fidalga acolhida pela família Feitosa.

SAÍDA DE RIBEIRÃO PRETO: Deu-se, no sábado – 11 de fevereiro  de 2.012, por volta das 5,20 horas, defronte à UNAERP (Avenida Costábile Romano, 2201). Fomos transportados e apoiados, em todo o percurso pelo ônibus de propriedade de Luiz do Valle, o “Paraguai, de Serrana-SP, e que o teve como motorista.

TRAJETO DA VIAGEM: Saindo de Ribeirão Preto, defronte à UNAERP, o ônibus seguiu pelas Av. Costábile Romano, Av. Presidente Kennedy e Marginal da Av. Presidente Castelo Branco, nesta adentrando, vencendo o trevão da Via Anhanguera, alcançando a Rodovia Abrão Assed (SP-333). Passou-se por fora de Serrana e Serra Azul e houve uma parada, no “Posto Rio Pardo”, logo após a ponte sobre o mesmo rio, onde foi feito o desjejum e onde encontraríamos a Josefina. Por volta das 6,30 horas, já na cidade de Cajuru-SP ( distante 60 Kms), o ônibus passou a trafegar na  Rod.  Joaquim Ferreira SP-338, onde , por cerca de 20 kms, sentido Altinópolis-SP,  adentrou, à esquerda, na Fazenda Varões ( Sebastião Bernardes). Depois de percorrer cerca de 8 Kms, já em estrada de terra, tendo inclusive passado sobre a ponte do rio Araraquara, o coletivo estacionou defronte a entrada do Parque Florestal Estadual, situado já no município de Altinópolis-SP.

PARTICIPANTES: Foram 32 (trinta e dois). Dos peregrinosrp (aqueles que já caminharam três ou mais vezes), marcaram a presença, mais uma vez: 1. José Carlos Moreira; 2. Octávio Verri Filho; 3. José Humberto Lopes; 4.Gisele Larosa;  5.Luiz Augusto B. Martins; 6.Themis Aidar; 7.Alice Nepomuceno; 8.José Roberto de Souza; 9.Josefina Cetrulo; 10.Amélia Ângela La Rocca;11.Emiliana Cetrulo; 12.Humberto Augusto Martins Neto; 13.Maria Lúcia Salgado Yoshio; 14.Sérgio Aparecido Leoni; 15.Ênio Gonçalves Carducci; 16.Dinah Jaloto Pereira; 17.Márcia Falconi;18.Renato Stucki; 19.Rovilço de Paiva e Silva, 20. Ilda Pavinski de Paiva e Silva; 21.Mário Cetrulo; 22. Katsuo Mizuno; 23. Everaldo Soares Rodrigues da Silva, 24. Otto Orsi Guimarães ;  25.Érica Cristina dos Santos e 26. Sílvio César Camargo.  Pela vez primeira, estiveram presentes: 27. Alfredo Teixeira Murada; 28. Glalcyara Lançoni; 29.Carmen Silvia Pignata;30.Cristina Rufino;31.Danilo Campos;32.Luciana Bullamah Stoll;

PERCURSO DA CAMINHADA: Assim que chegamos ao ponto de partida, por volta das 7,20 horas, ao descermos do ônibus sentimos uma temperatura agradável. Estávamos em um lugar alto. Fizemos à tradicional “roda” e os cumprimentos de praxe. Partimos, por uma estrada com cascalho, no interior do Parque Florestal Estadual.  Pinus à esquerda e mata natural à direita.   Estava fácil caminhar,  céu nublado, chegou a ensaiar uns pingos, sem continuidade..

KM 1,7 – Deparamo-nos com uma  porteira  e uma pequena construção, impedido o prosseguimento à frente. Dobramos e seguimos pelo caminho  à direita;

KM 2,9 – à direita, placa em madeira com indicação da Secretaria do Meio-Ambiente, Instituto Florestal e, logo em seguida, cruzamento com restos da linha férrea da Estr. de Ferro SP/MG, Uma placa indicava entrada para a Fazenda Fradinhos, com plantação de eucaliptos. Alí próximo havia remanescentes da antiga “Estação Fradinhos”. Prosseguimos à esquerda.

KM 4,4 – Deparamo-nos com uma bifurcação, com árvore caída à direita. Seguimos à esquerda;

KM 6,9, outra bifurcação, junto ao Reflorestamento. Seguimos à direita;

KM 12,3– cruzamento próximo a grande área onde havia máquinas cortando  eucaliptos, em partes do Reflorestamento Chanflora e, pequena Mata de Cerrado. Subimos à esquerda e foi longo o aclive;

KM 15,1 – outro cruzamento no Chanflora. Seguimos em frente;

-KM 24   —  final do percurso, Recanto do Feitosa. 

FLORESTA ESTADUAL DE CAJURU  –  Localizada no limite dos municípios de Altinópolis e Cajuru, foi criada em 06/11/62, pelo Decreto estadual 40.990.             A sua área é de 1.909 hectares. No município de Cajurú, a área é de l.000 hectares e, no município de Altinópolis, a área é de 909 hectares. A sede fica no município de Altinópolis.

Apresenta relevo de colinas médias e vegetação representada por plantio de pínus e eucalipto e remanescentes decerrado e floresta estacional semidecidual, dispersas em vários pontos da unidade.

O REFLORESTAMENTO DA CHAMFLORA – Trata-se de uma área de  reflorestamento,  com eucalipto, destinada à produção de celulose e papel e que foi realizado em solos de baixa fertilidade  – neossolos quartzarênicos – ( areião,  mesmo! ) e tem ocupado extensas áreas anteriormente cobertas pela vegetação de cerrado.Nas proximidades, provavelmente desde os anos 50, existe uma área reflorestada chamada “Floresta de Cajuru” , situada também no Município de Altinópolis, que pertence ao Governo do Estado.

Antes de iniciar o reflorestamento da Chamflora, por volta do final da década de 70, a área conhecida pelos nomes das estações ferroviárias,Águas Virtuosas e Fradinhos, principalmente esta última, pertencia a diversos proprietários, de famílias tradicionais de Altinópolis,  os quais, nela, apascentavam o gado, uma vez que a terra não se prestava para o cultivo do café, sempre a principal atividade econômica de Altinópolis, e também para a plantação da cana-de-açúcar, que se iniciava por essa ocasião.

Pouco a pouco, a empresa Champion Celulose, de Mogi Guaçu-SP, foi adquirindo terras na área, iniciando a plantação de eucaliptos. Posteriormente, a área foi vendida para a empresa VCP – Votorantim Celulose e Papeis, com fábrica em Luiz Antonio-SP.  Recentemente, houve negociação entre a International Paper ( I.P.), ex-Champion, e a Votorantim, para troca de ativos, tendo a esta última passado para aquela a fábrica de celulose e papeis de Luiz Antonio-SP e todas as florestas de Altinópolis – São Simão – Santa Rita do Passa Quatro – Luiz Antonio e Guatapará, recebendo a Votorantim, principalmente, a grande área de reflorestamento de Três Lagoas-MS, onde está sendo construída uma das maiores fábricas de celulose e papéis do mundo.

Considerando que o Município de Altinópolis tem  929,426 Kms2, a área total da International Paper ocupa 1/6 do município, como veremos.

A área conhecida por  “Fradinhos “  está situada na latitude de 21º 02’S,  longitude de 47º 23’ W.Gr. e altitude de 920 m.

O clima da região é do tipo Aw. É um tipo de clima tropical chuvoso de savana, com temperatura superior a 18º C em todos os meses. A precipitação média anual é de 1.495 mm .

FAZENDAS QUE COMPÕEM O COMPLEXO DA CHAMFLORA

Horto Águas Virtuosas I – Morrinhos    33.442.000 metros quadrados                1.393,41  ALQUEIRES

Horto Águas Virtuosas   – Selado   –       11.771.000 metros quadrados                  490,45  ALQUEIRES

Horto Águas Virtuosas  – Madalena –    12.805.000 metros quadrados                   533,54  ALQUEIRES

Fazenda Fradinhos                               24.201.000 metros quadrados                1.008,37  ALQUEIRES

Fazenda Dois Córregos                        24.021.000 metros quadrados                1.000,87 ALQUEIRES (Esta tem área no município de Altinópolis como também no município de Cajuru ).

TOTAL       106.240.000 METROS QUADRADOS   =   4.426.64 ALQUEIRES

ou                 106,240 Kms2

TRILHAS:  A enorme área, além da exploração econômica já referida, se presta, desde há muito, para atividades esportivas, nas modalidades de rallies automobilísticos e trilhas de jeeps, “gaiolas”  e motocicletas, e mesmo a cavalo,  existindo inúmeras trilhas, em todos os quadrantes dessa enorme área, e dos mais diversos terrenos, às quais os usuários deram denominações, atendendo às suas características, tais como  “Precipício”, “Fundão”, “Porteira Amarela”, “Escadaria de Pedra”,  “Barro Preto” e “Pedrona”. Os próprios usuários tem feito a  sinalização desses locais, colocando placas de madeira, indicando se são “leves” ou “pesadas”. Outrossim, é notável o interesse turístico, tendo em vista a proximidade com a gruta e cachoeira de Itambé ( 6Kms), principal atração turística de Altinópolis e a existência nessa área de grutas e túneis escavados nas formações de arenito Botucatu.

CAVIDADES NATURAIS EM ARENITOS DA FORMAÇÃO BOTUCATU (  GRUTAS ) EXISTENTES NO INTERIOR DA ÁREA DA CHAMFLORA

Gruta Fradinhos: situada nas proximidades da fazenda de mesmo nome, à direita do córrego dos Fradinhos,

distante 15Km a sul da cidade de Altinópolis.

Gruta Olho de Cabra: localizada à direita do córrego dos Fradinhos, a 15Km a sul da cidade de Altinópolis;Gruta Cinco Bocas: localizada nas cabeceiras do córrego dos Fradinhos, a 15Km a sul da cidade de Altinópolis;Gruta Prata; Gruta Águas Virtuosas;Gruta da Fazenda Morrinhos  ( Nego Morais) e Gruta/Tunel do Feitosa.

CURSOS D´ÁGUA:  Embora a área não esteja assim tão distante do rio Pardo, o maior curso d´água que banha um de seus lados é o rio Araraquara. Existe uma grande lagoa, que ocupa uma extensão de 6 ( seis) alqueires, denominada “Lagoa Central”. Igualmente, muitos córregos estão presentes em suas diversas parte, e nas divisas, dentre eles “o da Prata”, “o Pratinha”, “o do Cristo”, “o da Chamflora”, “ o Fradinhos” , “o das Águas Virtuosas”, “o da Regina”,  “o da Mangabeira”, “o do Horto” e “o da fazenda Dois Córregos”. O que se observa nesses córregos é que as águas são cristalinas, tendo por fundo areia, exercendo forte atração e sedução àqueles que anseiam por um banho.

FLORA: No eucaliptal.  propriamente dito,  inexistem outras espécies de vegetação a considerar, a não ser gramíneas, mato. No entorno, existem área remanescente de cerrado, bem como o replantio de espécies arbóreas originárias da região, tendo sido encontrado, também, pés de pequi, banana e de goiaba.

FAUNA: Nas cavernas são encontrados morcegos e abelhas. Nas formações areníticas proliferam os tucanos. De pássaros, muito embora são raros no meio dos eucaliptos, nas áreas de preservação de cobertura original, a que está a empresa obrigada, e no entorno, são vistas as espécies: sabiá, curió, periquitos, pássaro preto, trinca  ferro, João de barro,  canarinho e saracura. Com relação a outros animais, ali já foram vistos  lobo guará,  jaguatirica, tamanduá, cutia e várias espécies de cobras.

OS ACESSOS:  É possível acessar a área de diversas direções:  Por Serrana, tomando-se a estrada vicinal asfaltada, de Serrana a Altinópolis. Logo após a ponte do rio Pardo, cerca de 2.000, onde existe uma lixeira, dobra-se à direita, passa-se direto à placa que indica entrada para as Fazendas Sapé e Joinville, seguindo a estrada batida municipal, percorrendo as terras da Fazenda Paredão, atingindo após 8 Kms a floresta, segue-se, em linha reta pela floresta, atingindo-se a do trem, atravesse-a e, imediatamente, dobra-se à esquerda, prosseguindo-se até passar defronte a desativada estação das Águas Virtuosas. Depois de andar cerca de 1.000 metros, dobra-se à direita, pegando a trilha principal, pedregulhada, indo em frente;) Por Altinópolis, pegar a estrada que demanda à Gruta do Itambé e,aproximadamente, 1,5 km após a entrada da gruta, entrar à esquerda  e seguir as placas do Recanto Feitosa;  Por Santa Cruz da Esperança, quem vem de Ribeirão Preto, passando a ponte do rio Pardo e o posto de gasolina, à esquerda, deverá atentar para a entrada a uma estrada, à esquerda, a qual  demanda à Fazenda das Palmeiras, já nos limites desta fazenda, deverá atentar para as placas do Recanto Feitosa, inclusive na bifurcação à esquerda, não pegando a direita, que o levaria à Cajuru; Por Cajuru, para quem vem de Ribeirão Preto, atentar, faltando uns 5 Kms para chegar a Cajuru,  para uma bonita propriedade à direita do asfalto, que se chama Transvida. Defronte a esta, dobrar à esquerda, entrando em uma estrada de terra, de cerca de 15 quilómetros,  que o levará ao reflorestamento e ao Recanto Feitosa, cerca de 4 quilómetros depois de passar a ponte do rio Araraquara.

RECANTO FEITOSA: Em face da afluência de jipeiros e turista, na década de 80, um dos proprietários fronteiriços à área da Chamflora, o sr. Francisco Feitosa, estabeleceu-se com um restaurante, com refeições, petiscos e bebidas, o qual é muito procurado, principalmente aos sábados e domingos. Os serviços de atendimento e cozinha é feito pela própria família, além do Feitosa, trabalham ali a esposa D. Ivonete e os filhos Leandro, Rodrigo e Adriana. O local  é aprazível e faz parte de uma pequena fazenda, a qual é dividida por  uma grandiosa formação de Arenito Botucatu, com um túnel cavado pela água há milênios que o possibilita ir de uma lado a outro de sua propriedade, onde planta cana e cria um pouco de gado. Quando se está no meio túnel, a impressão que se tem é de uma daquelas grandiosas catedrais góticas da Europa. Quem pergunta ao Feitosa quem foi o arquiteto de sua “catedral”, ele responde: – Foi Deus! Ainda no meio do “túnel”, à direita, tem uma gruta, com minas d´água, cuja profundidade é desconhecida e que parece ter uma rio subterrâneo. Outra característica do Feitosa é prestar homenagens. Em vários pontos externos de seu restaurante, aparecem placas com nomes de alguém. O acesso à gruta-túnel tem o nome de avenida “Princesa Cássia Cunha”, diz ele que o nome foi escolhido em um concurso da AmBev.  Tem outra placa, de madeira, que registra a passagem de um peregrino em direção à Aparecida do Norte. Geralmente ele homenageia as pessoas ou familiares de empresários que com ele fazem parcerias para melhoramentos do local. Em conversa com Sr. Francisco e D.Ivonete  o que se percebe é a vontade de servir, e bem, a clientela. Explicou ela que o estabelecimento começou bem humilde e simples e que a atual estrutura foi em decorrência de inúmeras reformas, procedidas à medida das possibilidades financeiras da família. Diz que os planos de expansão existem e que, dentro em breve, terão condições de fornecer pouso, uma vez que tem sido grande a solicitação dos clientes nesse sentido.

No Google Earth, o Recanto Feitosa poderá ser encontrado nas coordenadas 21 10´ 47´´  S – 47 24´56 W( pesquisa feita pelo peregrinorp Octávio Verri Filho)

ESTAÇÃO FRADINHOS

As origens da E.F. São Paulo-Minas remontam a 1891, quando um médico da cidade de São Simão resolveu construir uma linha (Cia. Melhoramentos São Simão) que seguisse do centro até a fazenda Santa Maria. A empresa fechou em 1895, mas foi sucedida pela V. F. São Simão, em 1897. Esta se tornou em 1902 a E.F. São Paulo-Minas, quando passou a sair da estação de Bento Quirino e não mais do centro, sendo abandonada a linha que ligava este a Santa Maria, muito mais longa. A linha atingiu seu ponto máximo em 1911, quando alcançou São Sebastião do Paraíso, em Minas. A empresa mudou de donos mais vezes, até que em 1930, em dificuldades financeiras e dois anos após implantar um ramal de Serrinha (Ipaúna) a Ribeirão Preto, foi encampada pelo Estado. Em 1968, passou a ser administrada pela Mogiana, que fechou o trecho entre São Simão e Ipaúna. Em 1971, a SPM foi uma das cinco empresas fundidas para formar a Fepasa. Trens de passageiros correram até 1976. Atualmente a linha, de Ribeirão Preto até São Sebastião do Paraíso-MG, está abandonada em quase toda a sua extensão.
A ESTAÇÃO: Com data incerta de inauguração a estação de Fradinhos em 1986 já havia sido demolida. O seu nome devia-se ao fato de que um grupo de padres franciscanos ali montou uma casa que deveria se tornar um seminário. Jorge Fairbanks, fundador da Melhoramentos, te-los-ia conhecido e homenageado. Muito tempo mais tarde é que foi construída a estação em si.Em 1986 já estava demolida. Como em todas as outras estações da linha, Fradinhos abrigava uma grande população rural, que hoje não mais existe. ( informação colhida no site “estações ferroviárias”)

ALMOÇO :  Havia um Buffet com saladas e a comida quente  estava no fogão de lenha.Quanto às saladas tivemos à disposição tomate, cenoura, alface, jiló, quiabo, brócolis, pepino e chuchu.  Os pratos quentes foram: arroz, feijão gordo, farofa com ovo e chuchu, mandioca frita, ovo frito, macarrão e molho vermelho, coxa  de frango assada e bife de contra-filé.A comida estava bem saborosa e farta era a quantidade. Foi elaborada por D. Ivonete, esposa do Sr. Francisco Feitosa e duas auxiliares. No caixa ficou o Sr. Feitosa. O preço foi de R$ 15,00, por pessoa.Sobremesas e bebidas foram pagas à parte.

 RETORNO A RIBEIRÃO PRETO: Saímos do Recanto Feitosa por volta das 13,40 horas e, trafegando pela Estrada Municipal de Acesso à SP-333 e por esta estrada, chegamos a Ribeirão Preto-SP, no retorno, às 17,00 horas.

NOSSOS AGRADECIMENTOS:  Ao amigo Bebé Tincani, Secretário do Meio Ambiente de Cajuru, por ter, mais uma vez, colaborado com o nosso grupo, ajudando na definição do percurso. Obrigado!

PRESTAÇÃO DE CONTAS:

Receita

Passageiros do ônibus  ida/volta( 29 X 40,00  )                          R$ 1.160,00

O Sr. Mário e a . Emiliana pagaram metade

(02 X 20,00 )                                                                                     R$       40,00

Não foi cobrado o transporte de José Carlos Moreira

TOTAL                                                                                            R$    1.200,00

Despesa:

ÔNIBUS                                                                                              R$      500,00

Despesa com o motorista                                                                R$       25,00

Despesa para reconhecimento do trajeto                                    R$     140,00

Pagamento do José Carlos Moreira ( Zeca)                               R$      200,00

Despesas água e gelo                                                                       R$        35,00

Telefonemas-                                                                                    R$        35,00

Blog                                                                                                    R$      100,00

    TOTAL DAS DESPESAS                                             R$       1.035,00

SALDO POSITIVO  ( R$ 1.200,00  –   R$  1.035,00 )                      +     R$          165,00

Feita a arrecadação e deduzidas as despesas, o saldo financeiro desta viagem foi positivo no valor de R$ 165,00.

SALDO DO CAIXA DOS PEREGRINOSRP EM 15 de fevereiro/2012 =  R$ 3.665,85 + R$ 165,00 = R$ 3.830,85 ( TRÊS MIL, OITOCENTOS E TRINTA REAIS  E OITENTA E CINCO REAIS E OITENTA E CINCO CENTAVOS), depositados na conta de José Carlos Moreira ( Zeca).

 PRÓXIMA CAMINHADA:   Será divulgada em breve , juntamente com o calendário do semestre.

Autores : Zeca  e  Pero Vaz Que Caminha

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Relatório da caminhada nos municípios de Altinópolis-SP, da Fazenda Varões, situada na Estrada Cajuru-Altinópolis até o Recanto Feitosa, município de Cajuru-SP

  1. Valdir Edgard Homem disse:

    Estou aguardando com muita andiedade para poder fazer esta caminhada com vcs, no dia 17/03/2012, aguardo e-maill para fazer minha inscrição.Valdir Edgard Homem – Jaboticabal-SP

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s